domingo, 24 de maio de 2009

EU TE DIREI EM VERSOS


A poeta conseguiu plasmar em versos de requintada fatura, sem excentricidades, com um léxico preciso e até com certo laconismo mas com uma força poética iniludível, seu pensamento e seu sentir sobre tudo aquilo que conforma a matéria dos problemas fundamentais do homem: o amor, o destino, a morte. Na obra de Tania Alegria encontramos o prazer do verso e a armonia de uma obra poética construida com talento e beleza. A poesia de uma dama.
Rafaela Pinto, poeta e escritora (Argentina)




LEGADO

Quando eu morrer
num recanto do sótão
acharão um baú velho de mogno
com o modesto saldo dos meus bens:
meu legado de trastes
isento de tributos.

Nunca guardei por mais de uma semana
cartas de amor,
postais marcando ausências,
números telefônicos,
fotografias.
Não acharão nenhum amor-perfeito
entre as vetustas páginas de um livro
nem guardanapos sujos de poemas.

No meio dos objetos já sem uso
está um par de sapatos de verniz
que levavam meus pés para encontrar-te
(ninguém há de notar que eram asas);
algumas joias falsas, reluzentes,
como os meus olhos sempre que eu te via;
roupas fora de moda
onde ninguém verá
– porque não são visíveis as lembranças –
no meu vestido a mancha dos teus braços.


SEMPRE QUE MORRO

Sempre que morro, morro de naufrágio:
uma ilusão maior, mais atrevida,
mergulho fundo e rouba a minha brida
a morte sem presságio.

Não me cabe o direito de sufrágio.
Encontra-me em geral desprevenida
quando chega, avarenta e travestida,
a sorte por seu ágio.

Por lapso ou negligência
me afogo ingénua e dócil, com confiança.
Usualmente pereço de inocência.

Sucumbo de esperança,
de ingratidão, de perda, de inclemência.
Algumas vezes morro por vingança.


DE ENCRUZILHADA

Estou como quem vai, mochila às costas,
como quem viesse e não chegasse nunca,
viajante de pretéritos momentos,
estou só de passagem,
estou de encruzilhada.

Deixo vestígios, ecos de penúrias,
meu sangue ainda escorre na calçada
e em cada esquina, sob a luz da rua,
há pocinhas de pranto mal chorado
que esqueci de beber na hora da partida.

Talvez me encontres – se procuras muito –
nalgum porto, num bar mal afamado,
onde aposto nos naipes que te esqueço
e perco sempre.


EU TE DIREI EM VERSOS

Eu te direi em versos porque consta que a prosa
exige todavias alheios aos Outonos
das ramagens que o vento desfolhou.

Eu te direi em versos que já fomos deuses.

Portávamos olhares luminosos,
tínhamos mãos abertas como cálices
onde cabia o vinho de outros vasos,
nossas palavras cúmplices e alegres
recorriam às cegas os trajetos
buscando madressilvas redentoras
que resgatassem muros
da sua solidão desamparada.

Eu te direi em versos que já fomos Nós.

Mas um dia partiste em um ocaso
onde se inauguravam os pretéritos
e eu ordenei ao clã dos meus fantasmas
que mantivesse abertos os caminhos
para que entrasse pelas minhas pálpebras
esse pó assassino de distâncias
que se eleva do chão
se a tua voz galopa nos crepúsculos.


VENHO MATAR-TE

Venho matar-te.
Tardei em decidir-me esses dois séculos
que passei recitando um solilóquio
diante do espelho.

Tenho olhos de cal de tanto odiar-te.

A pele escorregou sem credo que a firmasse.

Descarnada por dentro, abjeta, despojada,
a língua em fel diluída, desfeita em impropérios,
com a boca repleta de blasfêmias,
venho matar-te
empunhando, homicida,
este punhal de versos.

(De InVerso, Ed. Movimento, Crivella, AlegrePOA, Porto Alegre, RS, Brasil)

19 comentários:

Eurico disse...

Grato pela tua presença, Poeta, entre os meus seguidores. Num rápido passeio pelo teu blogue percebi o quão denso ele é.
Passo a seguir-te também.

Abraço fraterno.

Tania Alegria disse...

Sou eu quem agradece pelo prazer de ler-te, Eurico.
Fui buscar o teu enlace para o meu blogroll.
Nos lemos, companheiro.
Um abrazo forte e afetuoso.
Tania Alegria

Xocas disse...

Veño a coller unha aperta desta fala de auga, por mais que goste mais da prosa, e tamén porque esta poesía túa resulta máis amavel e case pode un sentila na pel mesma.

E agradecer tamén o teu apoio que case adiviñaba... ;)))

Moitos cariños dende a Galiza. Seguirei a andar por este casiña. E polas outras.

Tania Alegria disse...

Gracias, Poeta y Escritor Xocas, por tu presencia que honra mi página. Es siempre un gusto encontrarte en las encrucijadas de las letras.
Un abrazo fuerte y muy amigo.

CLAUDIA PKDO disse...

Holla Tania.Poeta hasta la sangre.
Gracias por visitar mi blog. Para mi es un honor tener que personas de tremenda sensibilidad comente.
Espero seguir comunicándome contigo.

muchas gracias!

un abrazo

Tania Alegria disse...

Honra que me haces al detenerte en mis letras, Claudia Pecado. Bonito nombre el tuyo, sofisticado y elegante.

Nos leemos, Escritora (con mayúscula).

Desde Lisboa, un saludo cordial y un abrazo amigo.

Tania Alegria

João Neto disse...

"(...) para oficiar o culto de abraçar-te como hera paciente e obstinada." Tania Alegria

E se não é assim o amor... paciente e obstinado.

Tania Alegria disse...

João Neto, muito obrigada pela amabilidade de deter o passo para ler-me e deixar-me uma palavra gentil.

Desde Lisboa te saúdo com um abraço amigo.

Tania Alegria

ZAYADITH HERNÁNDEZ disse...

he visto que tienes este blog en español, pero me quedo aqui... amo la musicalidad del portugues... y si es en poesía, mejor se oye...así que espero poder terminar de aprenderlo contigo.
Besos.

Tania Alegria disse...

Honra que me haces, estimada Zayadith Hernández, al detenerte en mi página. Tus palabras son un estímulo y una alegría.
Desde Lisboa, un saludo cordial y un abrazo amigo.
Tania Alegria

firmina12 disse...

só hoje cheguei às suas palavras e venho agradecer

Tania Alegria disse...

Sou eu quem agradece a honra da tua visita, Firmina.

Desde Lisboa, uma saudação cordial e um abraço amigo.

Tania Alegria

Natan de Alencar disse...

Chego aqui e me deleito com teu domínio da expressão poética...Obrigado!

Tania Alegria disse...

O teu olhar honra as minhas letras, Natan de Alencar.

Obrigada por ter estado aqui.

Um afetuoso abraço.

Tania Alegria

Ana Márquez disse...

Hola, guapa. Os he dejado un regalito a todos mis seguidores en mi blog :-) Pásate cuando quieras a recogerlo. Un beso

♫ FáZinho ♫ disse...

Só passando para desfrutar de uma bela leitura...

Beijos

Tania Alegria disse...

Obrigada, Fábio, por não passar ao largo. A tua presença faz mais bonita a minha página.

Gostei do texto no teu perfil de blogger. Poético, elegante, eloquente. Vou acompanhar as tuas pisadas.

Desde Lisboa, um abraço afetuoso.

Anônimo disse...

Estou confusa. Não sei se a autora é a mesma Tania que conheço desde minha adolescência em S. do Livramento. Fomos colegas em Porto Alegre em Ciências Socias e em Portugal no curso de Estudos Ultramarinos. De qualquer maneira adorei suas poesias. Talento e sensibilidade a flor da pele.
Maria Regina Prado Alves -

Tania Alegria disse...

Sim, Maria Regina, sou a Tania a quem honraste com a tua amizade através dos anos e das muitas encruzilhadas que atravessamos juntas.
Embora não costume ir a Livramento, sempre tenho notícias tuas pela minha irmã e cultivo a tua lembrança no lado esquerdo do peito.
Agradecida pela tua visita à minha página, te abraço com o costumeiro afecto.
Tania Corrêa Alegria